Primeira Página Jornal Editorial Futuro da região do Pinhal
 

Seg

15

Jul

Futuro da região do Pinhal
Editorial
Escrito por Paulo Jorge F. Marques   
O futuro desta região passa por uma aposta forte na floresta (em completo abandono), agricultura(pode fornecer os nossos mercados locais), exploração de recursos endógenos, turismo, caprinicultura, mel, turismo balnear, exploração de outros recursos naturais. E criação de microempresas nestes sectores. se não se apostar nestes sectores, com todas as baterias e meios financeiros viradas para eles, daqui a 10 anos apenas subsistem as sedes de concelho. é tão fácil, está mesmo à frente dos nossos olhos, basta trabalhar. já foi dito por tanta gente. por isso é que a política me apaixona tanto.

Não há outro caminho, dê-se as voltas que se derem; venha o maior perito em desenvolvimento regional, que dirá precisamente isto.
Idanha apostou forte na agricultura, mação na floresta, vila velha no tejo.
o Artesanato, produtos endógenos(queijo, cabrito, mel, gastronomia) são o caminho.
A gastronomia, a nossa galinha dos ovos de ouro, está depenada e doente, com o encerramento de restaurantes

Até a piscicultura pode ser uma mina de ouro, aproveitando as ribeiras, com a construção de viveiros de truta, carpas e outros nas suas margens, alimentados pelas águas das ribeiras,
Junto a Corgas funcionou um viveiro de trutas, que já está em decadência, pertencia a um sujeito de oleiros. A intenção foi boa, foi pena não continuar. Conta-se que as trutas medravam e reproduziam-se aos milhares. afinal, é tudo tão fácil, está tudo à frente dos nossos olhos.
Na floresta, o presidente da câmara de oleiros diz que as zonas de intervenção florestal, zifs, foram um fracasso. concordo.  foi tudo por água abaixo, anos de trabalho, tudo foi desperdiçado.

 

 
Tem de se autenticar (ou registar-se, se ainda não possui uma conta) para poder adicionar comentários a este artigo.