Primeira Página
 

Ter

06

Nov

1º Congresso de Turismo de Campos Gerais: um segundo Geoparque para o Brasil mais consistente
Sociedade
Com o apoio do Geopark Naturtejo

A organização do sector turístico regional, com a aposta nos produtos rurais de qualidade e a diversificação da oferta turística através do espeleoturismo, do turismo de aventura, do ecoturismo e do geoturismo, por meio da criação de um modelo participativo de geoparque, que inclua na sua gestão as principais entidades responsáveis pelo desenvolvimento da região de Campos Gerais, foi uma das conclusões do 1º Congresso de Turismo realizado em Ponta Grossa, Brasil. O 1º Congresso de Turismo de Campos Gerais foi organizado pelo Departamento de Turismo da Universidade de Ponta Grossa, cidade no Estado do Paraná, com o apoio da Fundação Araucária. O tema centrou-se no "Turismo em Áreas Naturais" e visou propor a discussão técnica e científica do Turismo, promovendo o envolvimento do meio académico, político e empresarial, reforçando a cooperação entre os diversos sectores que compõem o sistema turístico da região. Entre as apresentações dos muitos trabalhos de investigação aplicada desenvolvidos nesta região do Paraná, incluindo a do Parque Nacional dos Campos Gerais, destaque foi dado às experiências regionais e internacionais de geoparques, através do Geopark Naturtejo de Portugal e do Geopark Araripe, de Ceará (Brasil), assim como do projecto de Geoparque em desenvolvimento na região de Bodoquena/Pantanal, em Mato Grosso do Sul (Brasil). Carlos Neto de Carvalho, coordenador científico do Geopark Naturtejo, foi o especialista convidado a falar sobre a implementação de geoparques reconhecidos pela UNESCO, das estratégias de comunicação do Património Geológico e do potencial inovador do segmento do Geoturismo. Este responsável e investigador apresentou ainda o modelo organizacional do Geopark Naturtejo e os resultados obtidos nos últimos seis anos, como referência para um modelo de geoparque a ser desenvolvido nesta região brasileira. Na mesa redonda moderada pelo Prof. Gilson Burigo Guimarães destacou-se ainda a apresentação de José Patrício Melo, responsável pelo Geopark Araripe, que reforçou a importância dos proprietários locais na gestão e valorização económica do Património Geológico, e de Afrânio José Soriano, coordenador do projecto Geoparque Bodoquena/Pantanal, que salientou o valor económico e social da conservação da Natureza nas áreas protegidas. A coordenadora do Congresso, Prof. Jasmine Moreira Cardozo, especialista em turismo em Áreas Protegidas e Interpretação Ambiental, ficou muito satisfeita com os resultados alcançados, tendo salientado o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela equipa da Universidade de Ponta Grossa para o desenvolvimento de um geoparque reconhecido pela UNESCO na região dos Campos Gerais. Os exemplos de conservação e valorização do património geológico excepcional desta região do Brasil são já vários, nomeadamente o Parque Estadual de Vila Velha, o Canyon Guartelá ou a região de Tibagi, onde a história da exploração de diamantes no Brasil teve os seus primórdios e onde ainda hoje vibra como património cultural. Conhecida como "a melhor cidadezinha do Brasil" Tibagi é hoje um destino de ecoturismo que irá reforçar a oferta geoturística como forma de atingir os mercados internacionais. Esta ideia foi salientada pela Vereadora Angela Nasser, durante a visita dos convidados português e brasileiros, realizada a esta cidade no âmbito do Congresso.

 
Tem de se autenticar (ou registar-se, se ainda não possui uma conta) para poder adicionar comentários a este artigo.