Primeira Página Jornal Ciência Workshop de Compostagem Doméstica no Centro Ciência Viva da Floresta
 

Seg

04

Jun

Workshop de Compostagem Doméstica no Centro Ciência Viva da Floresta
Ciência
ação de sensibilização

 

Workshop de Compostagem Doméstica no Centro Ciência Viva da Floresta

 

 

Cascas de laranja, borras de café, restos de alimentos e plantas são deitados diariamente para o lixo por milhões de Portugueses, que não percebem o valor destes resíduos orgânicos, que aproveitados podem ser transformados em composto e reduzir assim a quantidade de resíduos que são enviados para aterros sanitários.

De modo a combater esta problemática o Centro Ciência Viva da Floresta, em Proença-a-Nova, realizou um Workshop de Compostagem Doméstica "Aprende a valorizar o seu lixo e a produzir fertilizante orgânico!"

O Workshop teve início com uma ação de sensibilização, que consistiu numa abordagem teórica sobre o processo de compostagem, por Célia Cardoso. Seguiu-se uma ação prática onde os participantes tiveram oportunidade de construir um compostor. No final, partilharam-se experiências e informações entre todos os participantes.

Um dos objetivos deste Workshop foi estimular a comunidade para a melhoria do seu desempenho ambiental e a promoção de novos comportamentos na defesa do ambiente.

Esta iniciativa contou 15 participantes.

 

 

Na rota da Biodiversidade

Para comemorar o Dia Mundial da Biodiversidade, o Centro Ciência Viva da Floresta em colaboração com o Clube de BTT "Os Penêvês" levou a efeito mais um passeio da Biodiversidade. Aliar uma atividade de lazer à divulgação de ciência foi objetivo principal desta jornada a pedalar pelos caminhos rurais e florestais da nossa região, descobrindo alguma da flora e da fauna região.

Equipados a rigor cerca de 2 dezenas de cicloturistas saíram do Centro de Ciência Viva da Floresta cerca das 09H30 para um percurso aproximadamente de 15Km, de grau de dificuldade fácil. Durante esta viagem relembraram-se nomes populares e científicos das espécies encontradas principalmente da flora e mais raramente da fauna. Observaram espécies autóctones e invasoras ou introduzidas e os inerentes perigos para a preservação da biodiversidade.

Numa breve palestra proferida pela Eng. Edite junto a um local de passagem da Ribeira da Sarzedinha pudemos apercebermo-nos de algumas árvores e arbustos menos conhecidos, caso do pilriteiro (Crataegus monogyna) e do trovisco (Daphne gnidium L.) salgueiro branco ( salix alba) e outras mais comuns casos do pinheiro bravo (Pinus pinaster) do sobreiro (Quercus Suber) da azinheira (Quercus ilex) a esteva(Cistus sp) o rosmaninho ( Lavanda Stoechas) a carqueja comum (Pterospartum tridentatum) e muitos outros, da fauna identificamos alguns pássaros, insetos e anfíbios a, casos da gralha preta (Corvus corone) a rã verde(Rana perezi ).

No retorno ao Centro foi visitada a exposição permanente a que se seguiu um lanche para reparar forças e estimular os presentes para a continuidade da atividade e para a importância da preservação e proteção da natureza e da biodiversidade que levou milhões de anos a criar e que alguma irresponsabilidade humana tem vindo a por em perigo.

 

 

 
Tem de se autenticar (ou registar-se, se ainda não possui uma conta) para poder adicionar comentários a este artigo.

| Mais