Primeira Página Jornal Sociedade Vila de Rei comemora 725 anos da atribuição do foral por D.Dinis
 

Seg

20

Set

Vila de Rei comemora 725 anos da atribuição do foral por D.Dinis
Sociedade
Escrito por Paulo Jorge F. Marques   
A Câmara Municipal de Vila de Rei comemorou os 725 anos da atribuição do foral por D.Dinis, com a realização de diversas actividades, onde o ponto alto foi a atribuição dos subsídios aos casamentos e nascimentos. Foram atribuídos cheques a seis casamentos e 12 nascimentos.
A presidente da Câmara, Irene Barata afirmou que a atribuição de apoios à fixação da população jovem no concelho, com benesses monetárias para os nascimentos casamentos, é uma iniciativa da qual são pioneiros.

"Apesar de nos últimos anos ter sido feito um acentuado esforço no sentido da criação de novos postos de trabalho, com aparente sucesso, verifica-se que em muitos casos a população activa, particularmente os jovens, continuam a optar por manter a sua residência e se instalarem nos concelhos limítrofes", salientou, realçando que
esta atitude diminui significativamente para o concelho o efeito multiplicador económico, que deveria produzir a criação dos postos de trabalho.

A autarca disse ainda que, n estes termos, considera-se oportuna a atribuição, por parte da Câmara Municipal, de incentivos à fixação de população activa, nomeadamente jovens, pois é neles que reside o futuro, destacando que uma maior oferta de emprego e uma melhor qualidade de são objectivos que este concelho tem vindo a alcançar ao dos anos e que se propõe continuar.

Destacou que o apoio à Fixação da População de Vila de Rei visa apoiar o apego de jovens no Concelho, proporcionando o aumento de população activa e o incremento do desenvolvimento económico do Concelho.

Irene Barata frisou ainda que o ano de 2010 afirma-se de particular importância para dinâmica cultural e associativa de Vila de Rei. "A comemoração do 725 aniversário da atribuição do foral outorgado pelo rei D. Dinis a esta vila a 19 de Setembro de 1285 faz deste concelho um dos mais honrados do país a par da afirmação da sua cidadania e autonomia face ao poder do reino".

Foi ainda entregue a Fernando Silva Moura a Medalha de Bons Serviços do Município de Vila De Rei.
Feira das Tradições na Zona Histórica
Das comemorações fizerem aparte outras iniciativas, desde logo a Feira das Tradições, que de correu no Largo da Misericórdia, marcada pela animação, cultura popular, negócio de antiguidades e artesanato nas ruas da zona histórica.
Realizou-se também um cortejo histórico solene com a participação das diferentes localidades do concelho e da EBI Centro de Portugal.
À tarde foi lançada uma nova edição intitulada "Memórias Municipais"-os Forais de Vila de Rei", que contou com a presença da autora, Maria Helena da Cruz Coelho, professora catedrática de História Medieval e membro da Academia Portuguesa de História. O livro traz uma abordagem histórica, fidedigna, ao tempo do nascimento do concelho.
Na biblioteca teve também lugar a inauguração de uma exposição relativa aos 725 anos do concelho, com trabalhos realizados pelos alunos do Agrupamento de Escolas de Vila de Rei, centro de actividades ocupacionais e vencedores dos concurso de fotografia e pintura.

Câmara distingue Casa da Comarca da Sertã e homenageia padre Manuel Rodrigues da Silva

A Câmara de Vila de Rei atribuiu distinções honorificas ao padre Manuel Rodrigues da Silva, a título póstumo e à Casa da Comarca da Sertã. A Casa tem sido um elo de ligação entre a zona do Pinhal e os s naturais destes concelhos a residir na grande Lisboa. Tem organizado diversas actividades para divulgação dos concelhos que constituem a zona do Pinhal, tendo Vila de Rei também bastante destaque.
Quanto ao Padre Rodrigues, natural da Fundada, ali terminou a sua carreira com padre e faleceu. Lutou pela instalação de diversas melhorias na sua terra, desde logo a colocação de candeeiros de petróleo no largo da igreja da Fundada e desenvolveu esforços para que houvesse uma carreira diária de transporte de passageiros entre Abrantes e a Fundada. Comprou ainda uma máquina de projectar filmes, que exibia no salão paroquial e atraia centenas de pessoas das aldeias vizinhas que não perdiam esta novidade.
Sobre o Padre Rodrigues, Irene Barata, que conviveu com o homenageado, disse ser um exemplo de honestidade, lealdade, que poderia constituir um manual para todos os políticos. "Foi uma pessoa tão especial que custa encontrar paralelo", salientou, contando que o Padre Rodrigues, antes de ir para o Hospital, onde faleceria, entregou todo o dinheiro da igreja da Fundada e alguém lhe emprestou dinheiro para ir para Lisboa, ou seja, não usou o dinheiro da igreja.
Irene Barata disse anda que era uma pessoa querida de todos, fazia viagens a Fátima de bicicleta com os rapazes.

 

 
Tem de se autenticar (ou registar-se, se ainda não possui uma conta) para poder adicionar comentários a este artigo.

| Mais
Faixa publicitária